DICA CULTURAL
 

A História da Sexualidade

por João Marinho

Um estudo sobre os discursos em torno do sexo


Michel Foucault não é um nome muito conhecido junto ao grande público, mas é bem famoso em universidades. Pensador, Foucault faleceu vítima da Aids em 1984, antes de ter completado um dos projetos acadêmicos mais audaciosos de que se tem notícia: "A História da Sexualidade".

Sem estrutura

Pensador brilhante, Foucault rejeitava a visão positivista da História, segundo a qual esta caminhava rumo à evolução, e estudou assuntos polêmicos, como a medicina, a psiquiatria e o sistema penal.

Mais de uma vez, foi "acusado" de estruturalista. Um estruturalista estuda uma sociedade em suas diversas manifestações visando a encontrar a estrutura profunda que caracterizaria aquela sociedade e alimentaria as manifestações.

Foucault, porém, não pensava assim. Ele analisou a produção dos discursos e dos saberes pelas sociedades, mas se recusava a considerá-los como manifestações de uma estrutura predeterminada.

Os papéis dos atores e condições sociais eram trabalhados enquanto formadores dos discursos, sem terem um significado "mais profundo" ou estrutural para além desse.

Foucault não concebia a História como uma linha evolutiva e nem como algo que, analisado a fundo, revelaria uma estrutura por detrás. Os saberes e discursos eram construídos para atender a necessidades sociais e históricas que, no entanto, não eram predestinadas e nem definidas por uma força, essência, Ser superior ou estrutura que as ordenasse de antemão.

Sexo e discurso

A sexualidade não escapou à sua análise. Nos três volumes acabados que compõem "A História da Sexualidade" (existe um quarto, incompleto e não-publicado), Foucault demonstra como e por que os saberes em torno do sexo foram construídos e ditaram nossa forma de pensar sobre o assunto.

Ele rejeita que o sexo tenha sido sempre reprimido no Ocidente. Para ele, fala-se, escreve-se e estuda-se o sexo mais do que tudo. Há uma multiplicação dos discursos e dos saberes e isso atende a uma demanda de poder – outro ponto essencial em sua obra –, que visa a controlar e disciplinar o homem e seu corpo.

Esse poder, ao contrário do que se pensa, não parte apenas de um ponto central em direção à periferia: está espalhado por toda a sociedade: é exercido em todos os níveis, a partir de diferentes fontes e produz conhecimento e instituições. Entender a sexualidade sob o prisma de Foucault é entender que não somos tão livres quanto pensamos, mas é também tentar construir uma estratégia contra o poder e saber por que somos o que somos. Você nunca mais verá o sexo da mesma forma.


A História da Sexualidade 1 – A Vontade de Saber
A História da Sexualidade 2 – O Uso dos Prazeres
A História da Sexualidade 3 – O Cuidado de Si
Autor: Michel Foucault
Onde: qualquer boa livraria (dicas: Livrarias Cultura e Siciliano)
Preço médio: R$ 30/livro