REPORTAGEM
 

Como trabalham os agentes de atrizes pornôs

por Valter José

O agente de atriz pornô, ou empresário, é o que faz com que ela trabalhe com o mínimo de tranquilidade e profissionalismo e é a prova de que existe um mercado que passa confiança às profissionais.

Aqui, no Brasil, a figura do agente praticamente não existe, à exceção da agência da Irani – hoje, quase desativada – e talvez uma ou outra por aí. Geralmente, as meninas dependem de amigos altruístas que não exigem nada em troca e/ou de alguns atores, que, além de tomarem delas até 80 % dos pequeninos cachês, barganham a presença das moças, ou seja, só as apresentam se os diretores garantirem cenas para eles.

Isso sem contar a famosa conversinha “no pé do ouvido” do diretor, em que o ator jura ser namorado da atriz, e que ela, por ser tímida, só contracena com ele – e que, claro, ela “exige” que o cachê dela seja passado para ele. Portanto, no Brasil, as meninas estão nas mãos trêmulas do destino...

Exemplos

Nos Estados Unidos, temos o mitológico Jim South, cujo filho reabriu a agência depois de algum tempo fechada. Nos bons tempos, os South cobravam US$ 100 por atriz e cena, quantia esta paga pela produtora, sem que o grande Jim South pusesse as mãos no dinheiro das garotas. Essa regra, alguns produtores e diretores americanos trouxeram para o Brasil, quando ainda não tinham aprendido as mumunhas desonestas brasileiras.

Hoje, os South dividem o mercado com outras grandes agências, como a Lisa Anns Talent Management (www.lisaannstalentmanagement.com), da maravilhosa Lisa Ann, deusa que agora está retornando ao pornô.

Na Europa, com as tchecas, húngaras e francesas, as agências são ainda mais competentes e profissionais. Elas recebem, diretamente das produtoras, 20% do cachê pago à atriz. Lógico que algumas preferem ser suas próprias agentes, mas são exceções. Olivia Del Rio, Coralie, Ovidie e Laura Angel eram algumas das que dispensavam intermediários.

Hoje, no entanto, com as produções espalhadas por toda a Europa, torna-se impossível não ter agentes. Sob pena de perder muito tempo e dinheiro, não é fácil negociar na Espanha, Itália, França e Alemanha.

As atrizes francesas que, por exemplo, queiram gravar em Budapeste precisam se cadastrar nas mesmas agências das deusas húngaras: Brillbabes e Erotik Models (www.erotikmodels.cz). Em Praga, não dá para contornar a United Modelling, uma das melhores.

Rocco Siffredi, Christoph Clark, Hervé Bodilis, Fabio Lapiedra, Xavi Rodríguez, John Leslie e Mario Salieri são alguns dos diretores que acorrem às agências na Hungria e na República Tcheca – e se dão o invejável “trabalho” de selecionar as maravilhas que atuam em seus vídeos...

Fotos: Reprodução (© Hot Video) e Reprodução (www.oliviaolovely.com)