ARTIGO

Sexo: não faltam motivos para praticá-lo

Em meio a tantas datas comemorativas como dia das mães, dos pais, dos namorados, das crianças, da sogra (!), e tantas outras, por que não comemorar o dia do sexo, que, aliás, deu origem a tudo?

por Thaís Carapiá

Pensando nisso, e em despertar o interesse e a conscientização das pessoas pelo sexo seguro, tirando dúvidas e derrubando tabus, a marca Olla, que possui uma linha completa de preservativos e lubrificantes, promove há três anos uma campanha criada pela Agência Age para que o dia 6 de setembro seja oficializado como o Dia do Sexo e passe a fazer parte do calendário oficial do País. Para tanto, foi criado o Manifesto pelo Dia do Sexo, disponível no site www.diadosexo.com.br, que necessita de, pelo menos, 1 milhão de votos, número referente a 10% do eleitorado brasileiro, para tornar a data oficial.

  

ALÉM DO ATO

Sexo vai muito além do ato, cenas eróticas e/ou posições sexuais. A palavra está inserida em um universo de significados. A Associação Mundial para a Saúde Sexual (World Association for Sexual Health - WAS) define sexualidade como um aspecto central do ser humano durante a vida e abrange sexo (forma física), identidade e papéis do gênero, orientação sexual, erotismo, prazer, intimidade e reprodução. Pode ser apreciada e expressada por meio de pensamentos, fantasias, desejos, opiniões, atitudes, valores, comportamentos, práticas, papéis e relacionamentos, e influenciada pela interação de fatores biológicos, psicológicos, sociais, econômicos, políticos, cultural, éticos, legais, históricos, religiosos e espirituais.

  

BENEFÍCIOS DA PRÁTICA

A atividade sexual, além de ser maravilhosa, traz uma série de benefícios à saúde. A seguir, alguns deles:

Longevidade

Segundo um estudo realizado no Reino Unido, homens que fazem sexo ao menos duas vezes por semana vivem mais que aqueles que fazem sexo menos de uma vez por mês. Nas mulheres, não foram encontrados resultados semelhantes, mas uma pesquisa estadunidense descobriu que aquelas que afirmavam ter prazer durante o sexo viviam mais do que as que não gostavam de praticá-lo.

Saúde do coração

Um estudo britânico descobriu que pessoas que fazem sexo duas vezes por semana, ou com maior frequência, têm menores chances de sofrerem ataques cardíacos e outros problemas cardíacos fatais. As pessoas que fazem sexo apenas uma vez por mês têm o dobro de chances de terem este tipo de problema, quando comparadas às que praticam mais frequentemente.

Prevenção de cânceres

Um estudo francês descobriu que mulheres que fazem sexo vaginal com pouca frequência têm três vezes mais chances de desenvolverem câncer de mama, quando comparadas com mulheres com a vida sexual mais ativa.

Em relação aos homens, pesquisa realizada nos Estados Unidos aponta que os que fizeram sexo mais de três mil vezes durante a vida têm 50% menos chances de desenvolverem câncer de próstata que aqueles que têm menor frequência sexual. Ainda não se sabe por que isso acontece, mas estudos mostram que homens que fazem mais sexo têm um melhor funcionamento da próstata, além de eliminarem mais resíduos no sêmen, que por sinal apresenta maior contagem de espermatozóides e um esperma mais saudável, o que pode ter impacto sobre os riscos deste tipo de câncer.

Combate às dores

A desculpa de estar com dor de cabeça não cola. Sexo comprovadamente favorece a produção de endorfina, serotonina e dopamina, substâncias antidepressivas, além de melhorar a circulação sanguínea, melhorando a oxigenação dos órgãos

Melhora a imunidade

Quando o sexo é bom, o nosso sistema imunitário é fortalecido. O jogo amoroso faz libertar a Oxitocina, a qual contraria a produção do Cortisol - o hormonio do stress - por mais tempo. Nessa altura, o corpo produz mais glóbulos brancos, o que aumenta a imunidade.

 

 

Imagens:divulgação (www.facebook.com/OllaOficial?sk=app_216299471755580)

Fonte: CNN (edition.cnn.com/2010/HEALTH/01/07/sex.health.benefits/index.html)


Publicado em 06/09/2011.