Finalmente, uma nova atriz pornô com um pouquinho mais de espontaneidade e independência, que não fala apenas o que a revista norte-americana AVN (Adult Video News) e os produtores lhe pedem!

por Valter José

Kagney Linn Karter

No início de 2010, Kagney Linn Karter foi eleita a melhor atriz iniciante e, logo depois, assinava contrato de exclusividade com a produtora gonzo Zero Tolerance, deixando de lado ofertas de produtoras de filmes com história, como, por exemplo, a Digital Playground. “KliK” tem o mesmo charme, o mesmo padrão físico – cabelos loiros e seios siliconados – e a alegria fácil e faceira da linda Jesse Jane, de quem parece copiar o riso contagioso e o infantilismo quase comovente.

Ela gosta de dizer que a razão do seu sucesso está em suas “habilidades espirituais” e, depois das gargalhadas dos ouvintes, retoma a conversa, dizendo que, na verdade, os homens sempre adoraram o modo como ela anda. Isso, vale dizer, desde a época em que ela era stripper nas boates do Meio-Oeste norte-americano.

Kagney chega em um momento de transição para o pornô dos Estados Unidos, quando as produções gonzo começam a ceder lugar para as paródias de séries e filmes de sucesso, em que há mais diálogos e mais interpretação. Ela hoje precisa fazer as escolhas certas.

Violência com consciência
A loira mignon de lindos olhos azuis explica diplomaticamente que não gosta muito do sexo hardcore, em que as atrizes são agredidas e violentadas. Apesar de ter feito cenas desse tipo desde a sua estreia, em 10 de outubro de 2008, diz ela que permite, sim, alguma violência desde que os atores mantenham um certo respeito – mais ainda: que atriz pornô não é apenas um objeto para ser usado.
Na verdade, a ninfa loira gosta mesmo é de ser tratada como uma divindade. Sua fantasia sexual é estar com vários homens cujo único objetivo é dar prazer a ela. Aliás, KliK só consegue fazer sexo se houver química com os parceiros. Mesmo nas cenas bem “pesadas”, ela se reserva o direito de não abrir mão do envolvimento erótico!
 
Versatilidade
Portanto, Kagney é uma típica atriz desse momento de transição. As atrizes agora são meio “bonecas infláveis” e meio mulheres conscientes e firmes em suas vontades e ideias.
Ela é, ao mesmo tempo, atriz de vídeos gonzo, atriz de paródias pornôs e atriz de “thrillers” eróticos softcore para os canais de tevê a cabo – sem perder o perfil de “bimbo”(loira que se faz de burra), tipicamente norte-americano. O nome Kagney Linn Karter, que parece coisa de cantora country adolescente, completa o quadro.
Para constatar isso, basta ver o currículo da moça. Fotos para a Penthouse, capa da AVN, cenas para as grandes Digital Playground, Hustler Video, New Sensations – e para as produtoras gonzo, como Evil Angel, Jules Jordan Video e Zero Tolerance.
Para concluir, basta dizer que a menina sonha em ser uma nova Jenna Jameson – com a inteligência de Sasha Grey. Definitivamente, Kagney Linn Karter é uma estrela do nosso tempo!
 
Fotos: Reprodução (Filmsdown.net e Twistys.com)