ARTIGO

Brasil: da pornochanchada ao pornô das estrelas

A pornochanchada foi uma fase do cinema nacional que carrega fãs por toda parte. Estrelas da teledramartugia começaram figurando nesse gênero tão peculiar - mas os tempos mudaram, e agora vivemos outra fase cinematográfica: a dos filmes de sexo explícito com atrizes famosas.

por Vicente Montanha

Leila Lopes, atriz, faleceu aos 50 anos, em 2009. Na tevê, participou de novelas famosas como Pantanal e as globais Despedida de Solteiro, Renascer, Tropicaliente e O Rei do Gado. Em 2008, protagonizou o filme pornô Pecados & Tentações.

Sônia Braga, atriz, 60 anos. Importantíssima na teledramaturgia nacional, começou a carreira em pornochanchadas, como A Dama do Lotação. Depois, foram algumas novelas de sucesso, como Gabriela, e o grande passo de atuar em seriados norte-americanos e em filmes produzidos em Hollywood.

As semelhanças entre os dois perfis esbarram na beleza das duas atrizes, mas há um paradoxo: se Sônia fez pornochanchada – um estilo com pegada erótica – e terminou no cinema e na tevê tradicional, Leila começou no cinema e na tevê tradicional para, então, migrar para o pornô.

Comparações

A pornochanchada foi um gênero cinematográfico existente no Brasil durante a década de 70 e meados dos anos 80. A ditadura militar impulsionou os filmes dessa categoria, já que o regime imposto pelas autoridades impunha uma cota de filmes nacionais a serem exibidos nas salas de cinema. Além disso, a censura estava muito mais preocupada em coibir qualquer ideia revolucionária do que alguns palavrões, peitos e bundas. Tanto é que não foi só Sônia Braga que ganhou fama e notoriedade com os filmes da “Boca do Lixo”. Vera Fischer, Nádia Lippi, Nicole Puzzi, Aldine Müller e Cláudia Ohana foram outras grandes atrizes que deram seus primeiros passos com esse gênero.

Já Leila Lopes seguiu na “contramão”, copiando os passos de Alexandre Frota, Mateus Carrieri, Gretchen, Rita Cadillac e Vivi Fernandez: depois de um tempo afastada das novelas, topou fazer pornô e alavancou o sucesso do segmento.

Mudança de hábito

Historicamente, a chegada aos cinemas dos filmes pornôs contribuiu para o fim da pornochanchada – mas, infelizmente, não demorou muito para que as obras explícitas caíssem na mesmice e entrassem em declínio.

Comparativamente, as cenas ousadas das pornochanchadas propiciaram ao público brasileiro conhecer uma nova safra de atores e atrizes. Já o pornô nacional é quem agora deve a Alexandre Frota e aos atores já consagrados, que, depois do sucesso, se enveredaram no mundo do sexo.

Agora, se essa mudança de fluxo, do segmento tradicional rumo ao erotismo, representa um declínio na carreira desses profissionais, é algo que ainda está em discussão – e que o tempo deverá nos dizer.

 

Fotos: © Fallms