FETICHE

Prazer metálico

Se colocar um piercing já não é mais aquele ato de transgressão que foi em outros tempos, o adereço ainda é visto com certa desconfiança. Para a maior parte dos homens, piercing em mulher é coisa de “bad girl” – ainda mais se for colocado lá, na chaninha.

por Luciano Rodrigues

Segundo relatos de quem já fez, a pequena jóia, quando colocada no lugar certo, aumenta – e muito – o prazer do casal. O residente de medicina Olívio concorda: “A primeira vez que vi um piercing foi numa garota de programa. Antes disso, eu nunca tinha levado muito a sério essa história de que piercing aumenta o prazer. Nessa primeira vez, a garota tinha um piercing na língua. Quando ela começou a me chupar, fiquei completamente maluco. Nem um minuto de chupada, e eu já estava gozando. Aí, sim [...], fiquei curioso”.

Foi o ponto de partida para Olívio procurar piercings enfeitando uma região mais interessante: “Passei a procurar garotas de programa com piercing genital [...]. Entrava na casa e perguntava se alguma tinha. Na terceira casa [...], encontrei [...]. É espetacular! Uma sensação diferente, o metal pressiona a glande [NR: cabeça do pau] de um jeito gostoso”.

O futuro médico está namorando agora. “Toda vez que faço sexo com minha namorada, tento convencê-la. No começo, ela não queria nem ouvir. Agora, já está pensando com mais carinho na proposta”.

No lugar certo

Os piercings genitais femininos podem ser de vários tipos, de acordo com o local onde a jóia é colocada.

Há o que fica no “capuz” do clitóris, uma argola na pele logo acima do grelinho. É um dos tipos mais utilizados pelas mulheres e leva de uma a duas semanas para cicatrizar completamente. Numa outra versão, a jóia pode ser inserida diretamente no clitóris, mas esse tipo de perfuração não serve para todas as gatas: depende da anatomia de cada uma.

Outra opção são as argolas colocadas nos lábios em torno da entrada vaginal. Nos lábios internos (pequenos lábios), o período para a cicatrização é o mesmo: de uma a duas semanas. Nos lábios externos (grandes lábios), o processo é o mesmo, mas o tempo de cicatrização é maior: de duas a três semanas.

Além de sete tattoos, a vendedora Daniela tem quatro piercings: “Tenho alguns mais tradicionais: na sobrancelha, na boca e no umbigo – mas o meu preferido é um genital”. Dani colocou uma pequena argola no capuz do clitóris. “O tatuador que pôs o piercing disse que é um dos locais mais tranqüilos de colocar na região genital. Então, preferi não arriscar, mas acredito que todo piercing, se colocado por bons profissionais e tomados os devidos cuidados, não causa problema”, afirma.

Estímulo sexual

Vamos, porém, ao que interessa: na hora do sexo, mudou mesmo alguma coisa, como contou nosso amigo Olívio? “Olha, para mim, mudou um pouquinho, sim. Parece que estimula mais o clitóris, o sexo fica mais intenso. No momento, eu não estou namorando, mas meu último namorado adorava o piercing. Dizia que era o melhor sexo da vida dele, mas não sei se era só para fazer ‘média’ comigo”, explica Dani, entre gargalhadas. “O problema é quando eu saio pela primeira vez com um cara. Uns ficam loucos, adoram, outros ficam um pouco espantados. Tem que ser um cara com a cabeça bem aberta para não ficar pensando bobeira. É só um piercing, nada além disso. Acho bonito – e, outra, quando eu cansar, tiro”.

Ao lado de Dani, está sua colega de trabalho, Adriana, também cheia de tatuagens e com alguns piercings aparentes. Ela revela que também tem um piercing genital e vai ainda mais longe: “Eu tenho um também, colocado direto no clitóris. Na minha opinião, a mudança foi como da água para o vinho. Sem o piercing, você fica muito dependente de o homem saber como fazer para estimular o clitóris – e olha, sendo sincera, a maioria não sabe. Com o piercing, é como se fosse um prolongamento, uma extensão do clitóris. Fica muito mais fácil estimular. Aí, com um pouquinho de boa vontade, o homem consegue fazer a coisa direitinho, e fica muito mais gostoso”.

Adriana afirma que, para o homem, também é muito bom: “Quando o cara consegue fazer a mulher gozar, ela fica mansinha. Depois de um bom orgasmo, eu faço ‘tudo que o chefe mandar’, sem preconceito. Pô, ele me deu um puta orgasmo! Vou fazer de tudo, tudo mesmo, para ele gozar como eu gozei!”.

Goze com cuidado

Fazer tudo que o homem mandar. As palavras de Adriana soam como música para os ouvidos masculinos. A simples idéia de poder ter sua gata à disposição para realizar todos os seus desejos é o sonho de qualquer um de nós.

Para quem se interessou, é bom lembrar, entretanto, que o uso da camisinha é imprescindível, como sempre. Até porque a perfuração pode servir como porta de entrada para infecções e doenças sexualmente transmissíveis.

Outra coisa: se ela decidir colocar um piercing genital, é importante ter consciência de que ele pode provocar irritações e quelóides. Piercings desse tipo são jóias que ficam instaladas em uma parte do corpo úmida, quente e que permanece abafada, além de sofrer atrito freqüente com as roupas.

Por ser um corpo estranho, o piercing pode até mesmo ser rejeitado pelo corpo: se a perfuração for superficial, pode se fechar com facilidade; se as dimensões ou o material do piercing são forem adequados ao local onde será colocado, também há risco de rejeição – e, por fim, há diversos cuidados a serem tomados para a higiene e a correta cicatrização do local.

Quem já usa, defende. Quem não usa, alega uma série de “contras”. Enfim, a decisão é sua, ou melhor, dela. Afinal, o que importa, antes de tudo, é o prazer do casal. O restante é preconceito.


Fotos: Reprodução