REPORTAGEM

Unidos pelo Tesão

Os moralistas e os desinformados se enganam quando imaginam que na indústria pornô não há relacionamentos estáveis e que homens e mulheres dessa atividade levam apenas uma vida dissoluta e estéril.

por Valter José

Ora, a desinformação é, muitas vezes, a mãe do preconceito. Afinal, não parece lógico que uma indústria que movimenta bilhões de dólares por ano seja fonte de renda para muitas famílias?

Sim, nessa atividade, diretores, diretoras, atores e atrizes casam-se entre si – e até conseguem manter por um bom tempo uma relação estável. A história (e o pornô também tem a sua) nos dá ótimos exemplos.

ETERNO ENQUANTO DURE

Um deles foi o casal formado pelo diretor Bud Lee e pela legítima descendente de índios cherokees Hyapatia Lee, que viveram um casamento sólido de quase 20 anos – até Bud trocar Lee pela Vivid Girl Taylor Hayes.

Seymore Butt e Shane também viveram um lindo casamento – e causaram tanto impacto na indústria que a revista AVN foi obrigada a usar o termo gonzo (vídeos informais sem história, gravados em quartos de hotéis, nas casas dos produtores e em feiras), para designar o trabalho do casal, que se divertia, transava e ganhava muito dinheiro.

O relacionamento chegou a um fim amigável, quando Seymore conheceu a mesma Taylor Hayes. Shane, porém, não se abalou: montou uma produtora e um site (www.shanesworld.com) e se tornou uma grande empreendedora.

Quem também não se lembra de Jon Dough e Deidre Holland? Os dois atravessaram a década de 90 espalhando ótimas cenas de sexo, ótimas atuações – Dough é ator formado – e muito charme. Pena que, depois da separação, Dough não tenha sido mais o mesmo e tenha se tornado um ator pornô sem brilho. Quanto a Holland, deve ser dona de casa em Amsterdã.

NOVA GERAÇÃO

No século 21, os jovens casais pornôs parecem ser mais seletivos e inteligentes. Diferenciam com muita racionalidade sexo, amor, vida privada e vida profissional e inventaram uma nova forma de relacionamento em que o mais importante é manter a vida simples e os pés no chão.

Esse tipo de casal foi visto pela primeira vez no Brasil em Voyeur 21, do genial John Leslie. Ele, baixinho e com a aparência de vendedor de DVDs piratas; ela, uma mistura de deusa sueca com divindade húngara, loira, estonteante, alta e majestosa.

A cena tem 35 minutos, e é simplesmente excelente! Leslie grava de tal forma que dá a impressão realmente de que há um mulherão e um moleque meia-boca. Poucos, entretanto, sabem que o casal é realmente casado, formado por Voodoo e Nicole Sheridan.

Os dois estão juntos desde outubro de 2000 e se conheceram quando trabalhavam na produtora Metro Media, em sets diferentes: ela se preparava para uma cena de fetiche, e ele estava em uma sessão de fotos. “Quando a vi pela primeira vez, com aquelas roupas negras apertadas e com os chicotes, me senti como se estivesse caindo das nuvens”, conta Voodoo. Horas depois, os dois transavam loucamente no chão, em meio a cabides e roupas na sala da contrarregra. Logo estariam casados.

Quando o contrato de Nicole com a Metro terminou, o casal começou a fazer vídeos gonzo, mas logo estabeleceram uma regra: não fazer sexo sem preservativo com outros parceiros. Isso fez com que eles passassem a trabalhar mais com grandes companhias, como Wicked, Vivid e Metro Media, que fazem a maioria das cenas com preservativo.

Vale a pena contratá-los. O casal é capaz de fazer sexo anal em sete posições diferentes! Em uma cena filmada em julho de 2005, no vale ensolarado de San Fernando (Califórnia), Voodoo é um humilde limpador de piscinas que “pega” a dona da mansão que o havia contratado.

A cena foi tão boa e tão intensa que o diretor, a equipe e os jornalistas presentes aplaudiram, emocionados. Afinal, poucas vezes, haviam visto um casal demonstrar, ao mesmo tempo, desejo sexual e amor intenso. A esse respeito, comenta Nicole Sheridan: “De fato, nossas cenas são boas, porque somos também um casal na vida real. O pornô é também uma forma de ficarmos juntos a maior parte do tempo”.

De fato, os dois não ficam longe um do outro: praticam os mesmos hobbies e as mesmas manias. Nicole e Voodoo são membros da Flying Gaona Brothers Trapeze School, uma escola para trapezistas.

A fotografia é outra atividade que o casal pratica junto. Voodoo estudou fotografia em Toronto (Canadá), sua cidade natal – e ensinou à sua cara-metade tudo que sabe, para, juntos, trabalharem no site do casal (www.nicolesheridan.com). Outros projetos incluem a abertura da produtora própria e o livro O Amor Está no Equilíbrio: Confissões de um Casal Pornô. Sobre a obra literária, “não se trata de um ‘guia’, [...] mas da história de um homem e de uma mulher [...] que cruzaram seus caminhos na indústria pornô, enquanto mantêm seu equilíbrio como casal”, explicam.



 

Publicado em 26/05/2011.